Onde a poesia e a liberdade se abraçam.

.posts recentes

. Chicoespertismo

. Onde está o Pinóquio?

. Faixa de Gaza

. Viva 2009!

. A crise dos bancos

. Afinal quem está a mentir...

. Alcântara e os contentore...

. O BPN e os impolutos

. Manifestação dos professo...

. Ainda o BPN

.arquivos

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 25 de Dezembro de 2007

Natal e consumismo

 

Na época natalícia somos contaminados por uma espécie de vírus de origem desconhecida mas cujos sintomas já eram descritos no século passado: compras compulsivas com utilização de reservas monetárias e desenfreada utilização do cartão de crédito que nos põe as economias no vermelho. Há quem lhe chame «febre consumista» e a ataque como se fosse altamente contagiosa e letal, não com quaisquer antibióticos ou antivirais mas com uma moralidade que lhe advém do facto de ser uma pessoa de tal forma poupada que é conhecida na vizinhança por «unhas-de-fome».

Sem querer ser médico especialista e receitar medicamentos a torto e a direito, parece-me que, se ninguém comprasse ninguém receberia, pelo que os olhos das crianças não se iluminariam de espanto e alegria com as prendas e esse seria um prejuízo irreparável.

É certamente necessário haver moderação mas não é nas compras, é na distribuição. Já repararam quantas pessoas ficam sem prendas no Natal? E quantas não têm o mínimo para sobreviver durante o ano inteiro?

É verdade que muitas pessoas não se preocupam com a utilidade dos presentes, sendo capazes de oferecer um frigorífico a um esquimó ou uma caneta a um analfabeto, desde que seja «de marca». Desconfio que, ao contrário do comércio tradicional, as lojas dos chineses tiveram um natal em grande!

Para aliviar da tensão e bem dispor para novas oportunidades de compra que aí virão, divirtam-se com o texto que se segue.  

 

Um dia o Pedro Cardina,

esforçado costureiro,

recebeu na oficina

um visitante estrangeiro.

 

Este, ao ver a obra feita

tentada vender em vão,

prometeu dar a receita

em troca de comissão.

 

Também o Luís Botão,

um competente maleiro,

fazia tudo à mão

mas não ganhava dinheiro.

 

Sem estar à espera, um dia

ofereceu-lhe um comprador

por toda a mercadoria

só metade do valor.

 

 Não estava interessado

mas, como tinha que comer,

pôs o orgulho de lado

e acabou por ceder.

 

As carteiras e as malas

que eram feitas pelo Botão

só podem hoje encontrá-las

em Paris ou em Milão.

 

E a roupa que lá na aldeia

fazia o pobre Cardina

deixou de ser velha e feia

para ser moderna e fina.

 

Ninguém, penso, imagina

que houve esta alteração:

o Cardin  era Cardina

e o Vuitton era Botão.

 

Com esta explicação parca

se prova mais uma vez:

por trás de uma grande marca

está sempre um português.

 

Gritemos, pois, com afã:

o que é nacional é bom!

Viva o Pierre Cardin

e também Louis Vuitton!

 

publicado por Viriato às 18:13
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De mnike30 a 26 de Dezembro de 2007 às 22:56
Olá,
este poema está demais! eh eh... Bem à moda de António Aleixo!
Se as pessoas pensassem no quanto custa a ganhar a vida faziam mais contas ao desperdício...
Beijinho
De daplanicie a 28 de Dezembro de 2007 às 12:12
O poema está óptimo e muito engraçado! Parabéns!
Feliz 2008
De S. a 31 de Dezembro de 2007 às 11:55
Caro Viriato,

Passei pela Lusitânia para lhe desejar um ano de 2008 com alegria, saúde e paz.
FELIZ 2008!
S.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.favorito

. E assim nasce mais um...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds